Fantasias medievais e The Witcher 3 (Diversitá #35)

2 Responses

  1. Jean Correa says:

    Meninada do diversitá!

    Já tinha ouvido falar do podcast de vocês, mas resolvi assinar depois da participação de vocês no Massacrente. E uau! Vocês são muito feras! Aquela gente de quem se quer ser amigo, sabe? E o programa de vocês é muito bom, de verdade. Considerem-me um novo fã.

    Só me senti um pouco solitário ao ver que ninguém do episódio conhece os outros jogos da série The Elder Scrolls. Eu conheci a série no jogo 3, Morrowind, e me apaixonei pela temática e pelo mundo aberto, Joguei muito, completei a quest principal e várias side quests, viciei meus irmãos no jogo etc. Também joguei o 4, Oblivion, que é uma bosta. Joguei inclusive o 2, Arena, que era pra DOS!

    Enfim, parabéns pelo podcast de vocês. Em breve farei maratona!

    Abraços,

    Jean Corrêa

  2. Opa! Comecei a jogar “The Witcher” hoje e já estou completamente imerso nesse RPG acachapante, então resolvi escrever um pouco sobre o assunto. Aí vai:

    “Poder e sexo. Sexo e poder. Ambos significam a mesma coisa – foder com os outros!”

    Esta frase poderia muito bem ter sido extraída de “Game of Thrones”, porém é uma conhecida fala de Geralt of Rivia, protagonista da série polonesa de livros e jogos “The Witcher”. E, exatamente por isso, eu só posso ficar feliz em ver que o tema medieval, em sua vertente mais crua e visceral, mas não menos fantasiosa, está mais vivo do que nunca. Hoje, podemos nos deleitar com tais histórias não apenas através dos romances publicados, mas também nos impactar com a audácia narrativa de Westeros transposta magistralmente na série da HBO e ainda, por que não, tornarmo-nos o próprio Geralt, no já consagrado terceiro capítulo do jogo do bruxo polaco. Que dias maravilhosos estamos vivendo, não? A magia de outrora, oriunda das mitologias criacionistas e relatos infames da Idade Média, aliada ao poder imaginativo de mestres da literatura fantástica, como Tolkien e Lewis, está se reinventando – se adaptando – e angariando cada vez mais “capas” e “espadas” em seu exército de adoradores, com suas estórias de homens e dragões, magia e decepção, poder e sexo… Que dias bons!

    Abraços,
    Mauri Kanagawa Christoffersen

    P.S> Senti falta de Dragon’s Lair e Terry Pratchet no episódio…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Close
Curta o Diversitá para acompanhar mais posts legais =)
Curte aí, não demora nada ;)
Social PopUP by SumoMe