Cidade do Amor (Lucas Souza, 2009)

15 Responses

  1. Oun, orgulhinho. Mas ainda acho
    um absurdo eu ainda não ter o meu.
    Escutei só antes da masterização,
    no carro, antes de fazer um book
    do Luke pelo centro. Tu devia ter
    mencionado: “AH, A TAL FOTO NO
    INTERIOR DO ENCARTE É DA
    TALENTOSISSÍSSÍCIIIIMA MANOELLA MARIANO.”

    ôe.. rs

  2. Excelente texto! Cidade do amor superou minhas melhores expectativas. Um trabalho primoroso e regado de graça!
    Lucas encontrou o ponto certo em cada música.Cada faixa consegue transmitir a mensagem do Amor de forma diferente e profunda, não consigo parar de ouvir.
    Em breve teremos o novo trabalho do Palavrantiga também, esse ano só está me trazendo alegrias musicais!!

  3. Bobona. Citado então: as novas e ótimas fotos do Lucas Souza foram registradas pela srta. Manu Mariano.

  4. wellington says:

    É muito bom ver coisa de qualidade surgindo na nossa música!
    Ótimas influências do Lucas também, né? só por curtir David Crowder e Delirious? já ganha ponto! rs

    E eu citaria junto com Lucas Souza e Palavrantiga os meninos do Crombie, com suas músicas belas e raras!

  5. Lucas Lyra says:

    Curto muito Lucas Sousa, meu chará! Mas o cd novo dele ainda não chegou em casa, mas to esperando! rs

    E nesta sexta dia 17/04 vai ele vai tocar aqui em Campinas!! To empolgado!

    Parabéns pelo blog e pelo trabalho, Ricardo!

    Abraço

  6. 2 no Wellington!
    Crombie é o que há!

  7. @wellington,

    Eu não citei Crombie na resenha, mesmo sendo fã dos caras, pelo fato de não se enquadrar nas mesmas questões estéticas e conceituais de Lucas Souza/Palavrantiga. Esses dois nomes ainda buscam músicas direta ou indiretamente para o ambiente eclesiástico, com referências explícitas e fé e tocando um estilo mais rock. Já o Crombie trabalha com uma poética mais livre que os anteriores, partindo pra influencias mais de MPB e pontadas de reggae. Mas, seguem no mesmo nivel de qualidade.

  8. Lucas Lyra says:

    Ae! O cd dele chegou!! Muito bom mesmo! =)

  9. Luiz Alberto says:

    ‘Cidade do Amor’ não me pega.

    A tentativa de inovar e o cuidado com a produção ficam claríssimos, e são dignos de elogios. Mas ao contrário de você, Ricardo, não consegui enxergar a coesão.

    The Edge ou John Mayer? Keane ou Norah Jones? Marisa Monte? Killers? A profusão de influências me incomodou bastante.

    Pelo conjunto da obra, ainda fico com ‘Caminho de Revolução’.

  10. Luiz Alberto says:

    Apagou meu comentário, cara? =/

  11. Calma, @Luiz…sem pressa. Num se avexe nao que às vezes não dá liberar comments sempre que quero. Nunca iria deletar seu comentário sem razões. ;)

    Fale mais sobre como uma profusão de influências variadas te incomoda… Porque pra mim como músico, o resultado estético final é coeso sim. Enquanto obra artística musical pra mim as coisas estão muito bem delineadas no álbum…não há ruído pelo ecletismo – pelo contrário, se você observa esse ecletismo a partir da ideia de que Lucas Souza já tem certo estilo próprio, está tudo seguindo isso aí. Problemas que encontrei talvez sejam mais sutis detalhes de métrica das letras ou pequenas vocalizações do Lucas que poderiam ter sido podadas…mas nada que interfira demais no resultado final.

    Abs.

  12. Luiz Alberto says:

    hehehe! pode apagar o segundo ;)

    Não consigo enxergar muita ligação entre músicas como “Incomparável tanto amor” e as outras do CD, por exemplo. Pra mim, destoa muito. “Quebra e refaz” e “Teus olhos, meus horizontes”, mesmo que em menor escala, também me passam essa sensação.

    Tomando como base os trabalhos anteriores do Lucas, acho que Cidade do Amor se perde um pouco.

    Vamos de Coldplay (O Lar é bem parecida com Square One, repare) à Marjorie Estiano (Quebra e refaz) em 4 minutos.

    (A comparação com a menina não é uma crítica. Gosto do trabalho dela. Foi o que primeiro me veio à mente.)

    Não encontraríamos essa ‘salada’ nos CDs de artistas que influenciam o Lucas. No Day and Age, do Killers, talvez.

    Se eu estou sendo conservador demais, perdoem-me. É basicamente isso. Um pouco difícil de explicar por detrás do monitor.

    Também notei a questão da métrica. Mas é o velho embate Rock X Lingua Portuguesa. hehehe

    Espero sua resposta.

    Parabéns pelo blog. É alentador ver cristãos excelentes naquilo que fazem. Manoella ‘talentósissíma’ sempre falou bem de você. Sou aqui de Vitória e também estudo Jornalismo.

    Um grande abraço.

  13. Pedro César says:

    Humm, o cara de cima é de Vitória.
    Nossa, ele deve odiar o Lucas mesmo kkkkk
    Parabéns cara, que inveja bonita de se ver.

  1. 16/04/2013

    […] Do excelente “Cidade do Amor”. […]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Close
Curta o Diversitá para acompanhar mais posts legais =)
Curte aí, não demora nada ;)
Social PopUP by SumoMe